quem são os reservistas que Putin quer mandar à guerra

quem são os reservistas que Putin quer mandar à guerra

Home sento detido por policeis

Alguns dos protestantes antiguerra que tomaram as ruas na quarta-feira (21/9) receberam documentos militares

For many Russians, the government’s decision to convene 300,000 military reservists to fight in Ukraine was a shock.

Nas grandes cidades, a guerra da Rússia contra o país vizinho semper pareceu algo muito distante. Mas assim que o discourse mais recente do presidente Vladimir Putin terminou, ele atingiu a casa de muitas pessoas. Ser envoyado para o combat estava mais perto do que qualquer um poderia imaginar.

De uma hora para outra, os bate-papos e as trocas de mensajes explodiram com discussões ansiosas sobre o que aventeria a seguir. Foram feitos plans sobre como evitar ser enivado para a linha de frente.

“It was like a science fiction film from the 1980s. A little bit of an assistant, to be honest with you,” says Dmitry, 28, who works in an office in the city of São Petersburg. Our employees did not start work day, grudados no discourse nas telas da TV, do computador e do cellular.

Ele pediu licença do esfória depois do almoço e foi trocar rublos por dolares em um banco proximo.

Dmitry changed his house after receiving a visit from the police to participate in an anti-war demonstration — he believed that it would be more difficult for the authorities to meet the new local government.

“I don’t know what to do next: enter no próximo airplane para o exterior ou ficar na Rússia um pouco mais e ser persegido pela policia em alguns comícios antiguerra.”

Sergei — nome fictício — já foi convocado.

A 26-year-old doctorate student and professor at an important Russian university, he was hoping for a food delivery the night before Putin’s dissolution when the campaign started. Em vez disso, ele se deparou com dois homeens à paisana que lhe entregaram documentos militares e pediram que ele assinasse.

En BBC tem uma cópia desses documentos, que requistitam the presence of Sergei num centro de recrutamento na quinta-feira (22/9).

Papel com texto em russo e carimbo oficial

Sergei, um estudante de doutorado som experiencia em combate, received Papéis militares depois que Putin announced a ‘mobilização parcial’

O governo russo these que apenas pessoas que fayamin o serviço militar e tenham habilidades speciales ou experiencia em combate serão convocadas.

But Sergei não se fitse nessa descrição e seu padrasto está preoccupado, pois evitar o recrutamento é uma ofensa criminal na Rússia.

O padrasto trabalha em uma empresa estatal de petróleo e, horas depois, foi solicitado a uma lista de funcimientos que estanam isentos legallyme do serviço militare.

Most of the Russians have procurado maniras de evitar a convocation.

In Moscow, Vyacheslav says that ele and os amigos began to seek medical justifications to escape the military selection.

“Saúde mental ou tratamento para dependencia de drogas parecem opções boas, baratas ou talvez até gratuitas”, these ele.

“Se você estiver bêbado e for preso durante dirige, espera-se que sua license de motorista seja retreata e você tenha que passar por tratamento. [para o exército].”

O cousin of Vyacheslav avoided enlistment because he was not in the house when the authorities arrived. A mãe dele viu os documentos, que exigiam que ele se apresentasse para o serviço entre 19 e 23 de setembro.

“Ele se trancou em um quarto e se recusa a sair”, conta Vyacheslav.

“Ele tem dois filhos pequenos, de um e três anos. O que ele pode fazer?”, questiona.

Outro homem, de Kaliningrado, these on the BBC que faria qualquer coisa para não servir na guerra: “Vou quebrar meu braço, minha perna, vou para a prisono, ou qualquer coisa para evitar a convocation.”

Milhares de russos participaram de protestos contra a guerra em cidades de todo o país on noite de quarta-feira (21/9). Muitos disseram que receberam papers de convocação na rua mesmo or mais tarde, quando foram detidos pela polícia.

An organisação de direitos humanos OVD-Info listou até dez delegacias de policia em Moscou onde os demonstratores receberam documentos convocatórios. Pelo menos um homem no district de Vernadsky, em Moscou, refused to sign and was threatened with a criminal process.

Uma mulher disse ao site independente Mediazona que o marido dela foi detido em um protesto contra a guerra em Arbat, no centro de Moscou. Ele foi levado para uma delegacia de polícia, onde received papers de convocação e assinou-os while estava sento filmedado. Ele foi orientado a comparecer num posto militar na quinta-feira (22/9).

Mikhail, the 25-year-old, left Russia and went to Georgia at the beginning of the war. Ele só retornou à pequena cidade natal onde morava nos Urais por alguns dias. He planned to return, but now he is concerned about the threat of using nuclear weapons suggested by President Putin and he will stay in Russia, near his family.

“Estamos em estado de pânico. Na minha cidade, muitos já estão com papillos de convocationação, mas eu não estou registrado para morar aqui, annão não não vou recebê-los”, he accredits.

Recently, ele got a bom emprego em Tbilisi, mas agora considera inutile opportunity por causa da military escalation by Vladimir Putin.

“Em 21 de setembro, ele saguito destruir até mesmo a bagunça que fez em 24 de febreiro [o início da invasão]”, compare Mikhail.

“Eu parei de me importar completamente. Só vivo para o hoje.”

– This text was originally published by em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-63006492

Did you know that the BBC is also on Telegram? Subscribe-see no channel.

Ja assistiu aos nossos novos video no YouTube? Subscribe-see no nosso canal!

Leave a Reply

Your email address will not be published.